O dono do estabelecimento aprovou a atitude dos jovens – entre 18 e 27 anos – e publicou a imagem em sua rede social. Depois de inúmeras críticas, Arslan se arrependeu e apagou a publicação. A administração do clube se posicionou contrária ao gesto e disse estar chocada com a atitude de seus atletas.

“Quando descobrimos o que tinha acontecido, imediatamente convocamos uma reunião. De acordo com as regras do nosso clube, só podíamos chegar à conclusão de demitir os jogadores” esclareceu Marc Winkens, presidente do clube alemão.

Jogadores publicaram desculpas nas redes sociais. “Pedimos desculpa a todos as pessoas que magoámos com a nossa ação irrefletida”. O patrocinador também se posicionou “foi um grande erro de minha parte e peço desculpas aos jogadores e ao clube. Mas, aparentemente, não vai resolver nada. Tenho pena dos rapazes”.

Apesar das desculpas o clube não voltou atrás de sua decisão, rescindiu contrato de todos os atletas e mandou confeccionar camisas novas sem o patrocínio da loja de alimentos. Segundo o presidente do SC Myhl “não seria consistente continuar com ele [Arslan] de patrocinador”.

Além das sanções dentro do clube, os  jogadores terão de enfrentar consequências judiciais. Gestos nazistas são proibidos na Alemanha e o caso está sob investigação de autoridades locais. Com informações do IG.