Siga-nos

Aguarde processando...

X

Documento denuncia ‘farra em horas extras’ no hospital de Tarauacá

Por Iryá Rodrigues, G1 AC, Rio Branco

Segundo denúncia, servidores de hospital estariam recebendo até 25 horas extras sem trabalhar. Sesacre diz que nega acusações e lamenta denúncias que ‘tentam prejudicar’ o trabalho.

Um ofício interno enviado para a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) denunciou irregularidades no pagamento de horas extras de servidores do Hospital Sanção Gomes, em Tarauacá.

A Sesacre afirmou que, assim que recebeu a informação, mesmo sendo anônima, solicitou à direção do Hospital Dr. Sansão Gomes as devidas explicações.

“A Sesacre, a direção do Hospital Dr. Sansão Gomes e da Maternidade Ethel Muriel Geddis lamentam que denúncias escondidas sob o anonimato tentem prejudicar o trabalho tão importante realizado pelos profissionais que se dedicam na busca pela oferta de um serviço de saúde eficaz e humanizado no município de Tarauacá”, diz a secretaria em nota.

De acordo com o documento, nos setores de farmácia, banco de sangue, enfermagem e centro cirúrgico os servidores estavam recebendo excesso de horas extras. Conforme a denúncia, tem servidor recebendo até 25 horas extras sem trabalhar.

“Estão roubando. Eles podiam pagar direito os funcionários, mas não. Tem gente que tá ganhando 25 horas extras e nem trabalha. Tem gente que está ganhando 640 horas por mês, como que uma pessoa tem condições de trabalhar essas horas? Isso não existe”, declarou o denunciante, que preferiu não se identificar.

A denúncia pontua várias situações de irregularidades, entre elas de uma bioquímica ganha hora extra todas as tardes e está em São Paulo desde outubro de 2017. Tem ainda um farmacêutico escalado para fazer plantão diurno de 12 horas, mas não fica nem três horas no hospital.

De acordo com a Sesacre, em relação à biomédica, a profissional recebia seus plantões em conformidade com o que trabalhava.

“A partir do momento que se ausentou por motivo de doença, não recebeu plantões extras”. Com relação ao farmacêutico, a secretaria diz que o profissional cumpre “regiamente sua escala”, assim como sua auxiliar.

Ofício com denúncias foi entregue na Secretaria de Estado de Saúde do Acre  (Foto: Divulgação)

Ofício com denúncias foi entregue na Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Foto: Divulgação)

Além desses, um enfermeiro teria dois contratos e só trabalha em um. “Ele só pisa no hospital quando está de plantão por um contrato. Aí ganha hora extra no plantão noturno, mas chega 7h e sai 9h”, disse o documento.

Outro ponto destacado no ofício foi que tem técnico escalado todos os dias para o setor do centro cirúrgico, sendo que o centro só funciona três vezes no mês, quando o cirurgião vai para a unidade.

“Aí, tiram os extras de quem realmente trabalha e quem não trabalha fica ganhando. Isso é injusto”, reclamou o denunciante.

A Sesacre confirmou que o enfermeiro tem dois contratos, mas que a questão está “dentro da legalidade, e em conformidade com a escala”. Segundo a secretaria, um dos contratos é cumprido na assistência e outro na gerência de enfermagem das duas unidades (hospital e maternidade).

Sobre os profissionais escalados para trabalhar no centro cirúrgico, a Sesacre diz que a denúncia é “completamente absurda”.

“Sobre os profissionais do centro cirúrgico, que funcionaria apenas três vezes por mês, é completamente absurda, já que diariamente é feita a esterilização dos materiais diariamente”, afirma o órgão.

Clinica

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.