Após ficar cinco horas na rua, grávida que foi despejada consegue aluguel: ‘alívio’


Por Iryá Rodrigues, G1 AC, Rio Branco

Mulher foi retirada da rua pela Prefeitura de Rio Branco, na noite de terça-feira (15). Ela foi levada para um imóvel no bairro Raimundo Melo.

Após ficar cerca de cinco horas às margens da Avenida dos Sabiás, no bairro Xavier Maia, em Rio Branco, a jovem Roseane Lima da Cruz, de 26 anos, conseguiu o aluguel de um apartamento. Ela, que está grávida de cinco meses, tinha sido despejada com a filha de 1 ano e 4 meses.

O governo do estado informou que uma equipe de assistência social da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) foi enviada ao local para verificar a situação da jovem.



“A Seds irá buscar uma solução podendo solicitar aluguel, ou outra forma, para que a essa senhora não fique desamparada”, afirmou o governo em nota.

A grávida foi retirada da rua por equipes da Secretaria Municipal de Articulação Comunitária e Social e da Secretaria de Cidadania e Assistência Social. De acordo com Roseane, ela e a filha foram levadas para um apartamento no bairro Raimundo Melo, com a promessa de que seria inserida no Aluguel Social.

“Eu não tinha para onde ir e ia dormir lá mesmo. Me tiraram de lá e me colocaram em um apartamento. Foram lá era umas 19h e me trouxeram para esse local, que não sei se é só provisório. Mas, já é um alívio. Disseram que vão resolver a situação do meu Aluguel Social”, afirmou a jovem.

Roseane está grávida e foi despejada com a filha de 1 ano e 4 meses nesta terça (15) (Foto: Arquivo pessoal)

Roseane está grávida e foi despejada com a filha de 1 ano e 4 meses nesta terça (15) (Foto: Arquivo pessoal)

O secretário de articulação comunitária e social, Ailton Almeida, informou que a mulher já foi inserida no Aluguel Social do município e que vai ser assistida pela prefeitura.

“Fizemos a retirada da moça, já incluímos ela no programa Aluguel Social. Ontem [terça,15] mesmo, ela já foi atendida, deixamos ela no apartamento. Além disso, entregamos donativos de repelentes, porque ela está grávida, e a cesta básica. A prefeitura já fez esse atendimento”, disse o secretário.

No dia do despejo, Roseane relatou que morava no Conjunto Andirá, mas foi retirada do local com os outros moradores e levada a Escola Padre Carlos Casavecchia onde permaneceu por um mês.

Segundo ela, depois disso, a Sehab encaminhou os moradores para outros locais com a promessa de que colocaria os moradores no Aluguel Social.

“Eu fui para o aluguel com outra mulher que também estava grávida. Duas pessoas estavam ajudando a pagar o aluguel, mas deixaram de pagar. O dono me deu até o dia 5 para eu conseguir o aluguel com a Sehab, mas não consegui e fui despejada. Agora estou na rua com a minha filha”, lamentou a jovem.

A Secretaria de Habitaçã do Acre (Sehab) afirmou que não levou Roseane para a escola e nem prometeu Aluguel Social. Conforme a secretaria, quem levou as famílias para a escola foi a Secretaria de Articulação Comunitária e Social (Semacs).

“A Sehab encaminhou relatório social à Casa Civil informando a situação, bem como a necessidade de inclusão da referida família no Programa Bolsa Moradia Transitória (PBMT). Sobretudo, devido aos critérios estabelecidos em lei, a Sehab não poderia atender famílias com o referido perfil, de modo que solicitou a inclusão dessa família no aluguel social por meio da Seds”, informou a secretaria em nota.


Notícias Relacionadas