Siga-nos

Aguarde processando...

X

Nasce associação para lutar contra a lesbiofobia no Acre

Da Assessoria

"Não aceitaremos o ódio e lutaremos para que nossa Constituição seja respeitada."Disse Sandra Silva, presidente da entidade.

“Não aceitaremos o ódio e lutaremos para que nossa Constituição seja respeitada.”Disse Sandra Silva, presidente da entidade.

Lutadores sociais, feministas e militantes políticos fundaram neste fim de semana a Associação das Mulheres Homoafetivas do Acre (Amhoacre), na Sala de Reuniões da Secretaria Municipal de Administração.
A entidade nasce com o objetivo de representar as lésbicas, bissexuais e as profissionais do sexo, no sentido de articular e expressar as reivindicações destes segmentos.
Aprovado o Estatuto e escolhida a Diretoria Executiva, a Amhoacre se soma às outras organizações sociais que defendem a cidadania LGBT no Acre, buscando agregar novas pessoas, novas lideranças e fortalecer o movimento LGBT.
Segundo a presidente Sandra Silva, a associação é fruto do sonho de muitas pessoas que acreditam na igualdade e liberdade diante da crescente onda conservadora que tenta ignorar os gays, manter a inferiodade da mulher e que hostiliza a pluralidade humana. “Não aceitaremos o ódio e lutaremos para que nossa Constituição seja respeitada.”
Sandra lembra que a Amhoacre vai estar atenta às iniciativas governamentais e legislativas que dizem respeito à comunidade LGBT no Acre, bem como será parceira em ações de prevenção de doenças, inclusão  social e acesso à cultura. As bandeiras incluem ainda a luta pela criminalização da homofobia e a derrubada do Estatuto da Família.
“Nossa sociedade evoluiu, e não há mais espaço para preconceito e ignorância. Somos ainda um dos países que mais matam gays, enquanto a Câmara dos Deputados, comandada por um fundamentalista corrupto, quer aprovar um Estatuto que exclui os novos arranjos familiares, indo de encontro com as recentes decisões do STF”, protestou Sandra.

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.