Siga-nos

Aguarde processando...

X

Bradesco é condenado a pagar R$ 10 mi por danos morais coletivos

Do Ecos da notícia Rio Branco, AC

A 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) aumentou de 1,5 milhão para 10 milhões reais a condenação do Banco Bradesco S/A em danos morais coletivos por permitir ou exigir que seus empregados façam o transporte de valores sem a devida segurança física e patrimonial. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (30), em sessão no Plenário do Regional, durante julgamento dos recursos na Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

O banco foi condenado em 1º grau pela Vara do Trabalho de Colorado D’Oeste (RO) que, além do pagamento do dano moral coletivo, determinou a fixação pelo prazo de um ano da sentença em quadros de aviso das agências e postos situados nos estados de Rondônia e Acre, publicação de parte da sentença em, pelo menos, dois jornais de grande circulação, bem como multa de 50 mil reais, em caso de descumprimento, por infração e trabalhador prejudicado, cumulativamente.

Ao acolher o pedido de majoração do MPT, a desembargadora relatora, Elana Cardoso Lopes, destacou em seu voto que o “intuito da presente ação é mais pedagógico e de prevenção do que mesmo de indenização ou punitivo, considerando que ao exigir que os empregados transportem valores de forma completamente desarrazoada e sem nenhuma proteção e treinamento, o banco está submetendo reiteradamente seus trabalhadores a riscos desnecessários, além de desviar completamente a função contratada, sendo que em algumas situações analisadas aconteceu de fato um dano maior, em que o trabalhador sofre com problemas psicológicos, depressão, síndrome do pânico entre outros sintomas, em razão do medo experimentado e risco de morte ao qual foi submetido”.

Ao estipular o valor, a relatora concluiu que o banco “possui grande movimentação e porte financeiro, sendo que as condenações decorrentes da prática em tela não têm impedido a empresa de continuar utilizando-se do empregado bancário para o transporte de valores/documentos em malotes, expondo a vida dos mesmos aos riscos antes destacados”.

Em seu voto a magistrada constou parte do Relatório de Análise Econômica e Financeira do 2º trimestre de 2015, disponível no portal eletrônico do banco, onde diz que o Lucro Líquido Ajustado do 1º semestre deste ano foi de R$ 8,778 bilhões.

A 1ª Turma rejeitou os recursos do Bradesco S/A que pediam a nulidade da sentença por negativa de prestação jurisdicional, incompetência da Justiça do Trabalho para julgar a ação, não cabimento da ação e carência de ação.

O voto também lembrou que o banco já foi condenado em outro Regional, em ação coletiva, confirmada pelo TST, bem como no TRT14 em ações individuais, em valores bem inferiores.

Durante a sessão, a desembargadora Maria Cesarineide de Souza Lima se manifestou sobre o efeito pedagógico da decisão. “Isso é um grito para mostrar que a Justiça do Trabalho não pactua com tal prática que só vem denegrir o trabalhador”, afirmou.

Para o juiz convocado Shikou Sadahiro, integrante da 1ª Turma, estava havendo pouca eficácia no efeito pedagógico com as condenações em danos morais individuais. “O banco continuava a prática irregular. Por isso, condenamos em danos morais coletivos no montante de 10 milhões”, explicou.

Cabe recurso da decisão no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Publicidade

Escreva seu comentário

Informamos aos nossos caros leitores que a Equipe Ecos da notícia não se responsabilizará pelas consequências jurídicas
sobre os comentários divulgados.